Buscar
  • Sinsenat

Ministério Público do RN investiga denúncias de fura fila na vacinação contra Covid-19


Marcado por flagrantes de pessoas fora do grupo de risco furando a fila de imunização, o início da primeira fase da campanha de vacinação contra Covid-19 no Estado está sendo investigado pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN).


Em nota, o MPRN afirmou que irá apurar todos os casos de fura fila na campanha de vacinação contra a Covid-19. Isso porque, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap), nesse momento a primeira fase da vacinação no Rio Grande do Norte contempla apenas profissionais de saúde que estejam na linha de frente de combate ao coronavírus e idosos residentes em instituições de longa permanência.


De acordo com o MPRN “os casos de pessoas que receberam a vacinação mesmo sem se enquadrarem serão analisados individualmente para se investigar se houve o cometimento de crime ou ato de improbidade”.


A medida foi tomada após fotos circularem nas redes sociais com pessoas que não se encaixam na primeira fase da imunização comemorando o recebimento da primeira dose da vacina.


Em Natal, as primeiras denúncias foram apresentadas pelo Sindicato dos Servidores Públicos do município de Natal (Sinsenat). Cargos comissionados lotados na Secretaria Municipal de Assistência Social receberam a vacina nos postos de vacinação por drive through instalados pela prefeitura de Natal.


A prefeitura reconheceu o erro, que classificou como “equívoco”. Em nota, afirmou que os profissionais integram as “equipes envolvidas diretamente na campanha de imunização contra a Covid-19”. Contudo, as denúncias não tratam de técnicos de enfermagem, mas de profissionais de outras áreas.


Em entrevista à Agência Saiba Mais, a procuradora regional do Trabalho Ileana Neiva Mousinho afirmou que “a vacinação deve seguir a ordem de prioridade, pois essa recomendação vem da OMS e de organismos internacionais americano (CDC) e (ECDC), e todos falam que a vacinação deve ser iniciada com os profissionais de saúde que estão em atendimento direito aos pacientes com COVID-19 e, depois deles, os que estão na atenção básica do SUS”.


Segundo a procuradora, “a equipe de vacinação deve ser protegida, também, mas somente podem ser voluntários vacinadores técnicos de enfermagem. Equipe administrativa não entra na atual fase, na qual a escassez de vacinas, obriga que se faça escolhas e essa escolha recai sobre os profissionais de saúde que estão no front do combate à pandemia”.


O MPRN está disponibilizando o Disque Denúncia 127 para o recebimento de denúncias de crimes em geral. O cidadão pode ligar gratuitamente para o número. A identidade da fonte será preservada.


Além do telefone, as denúncias também podem ser encaminhadas por Whatsapp para o número (84) 98863-4585 ou e-mail para disque.denuncia@mprn.mp.br. Os cidadãos podem encaminhar informações em geral que possam levar à prisão de criminosos, denunciar atos de corrupção e crimes de qualquer natureza. No Whatsapp, são aceitos textos, fotos, áudios e vídeos que possam comprovar as informações oferecidas.

23 visualizações0 comentário
  • Instagram ícone social
  • Facebook Social Icon
  • YouTube ícone social

© 2019 

Website criado pelo SINSENAT